Diario

  • Rescaldo SBSR 2011

    Lug 19 2011, 18:57

    Thu 14 Jul – Super Bock Super Rock 2011

    Rescaldo,

    Dia 1:

    Tame Impala: o meu concerto favorito do SBSR, estiveram muito bem.

    Nicolas Jar: electrónica com elementos de jazz entre outros, a descoberta agradável do SBSR.

    El Guincho: podia ter visto mais músicas mas não, tinha que ir para Beirut…

    Beirut: obrigado red bull por não me deixares adormecer

    Arctic Monkeys: e com um punhado de boas músicas se dá um bom concerto

    Os Duches: gostei de ver, sabem bem depois de um dia de praia. Havia muita gente para ver esta actuação (inclusive com longas filas de espera para entrar em cena), "Os Duches" interagem bastante com público mas são frios em palco. Já têm longa carreira de festivais mas no SBSR não tiveram bocas para tão grande audiência.

    Lykke Li: ao vivo no meio ali dos pinheiros estão a ver esta senhora de preto a tentar cria um ambientezinho mais vanguardista com umas cortinas pretas e tal? Esquece lá isso, ao ar livre o efeito não é o mesmo.

    Não fazia ideia que esta senhora dedicava um minuto do concerto a passar Silent Shout dos the knife, por mim todos os artistas nórdicos podiam fazer isto.

    James Murphy: quando já passavam das 4 e tal da manhã lá aguentei umas 4 ou 5 músicas antes de ir para o conforto *gasp* da tenda, para quem já viu James Murphy com LCD Soundsystem não posso deixar de manifestar a minha pena por este desperdício de talento de ter o senhor "só" a mudar pratos.

    Dia 2:

    Noiserv: milhões a ver Noiserv, fiquei impressionado de já estar tanta gente no palco principal.

    L.A.: mais espanhóis que portugueses a ver isto, acabou com uma cover da Wicked Game.

    B Fachada Qual é o artista que tem uma música dedicada aos seus haters? Pensava que já tinha visto quase tudo mas assim até me sinto constrangido de comentar :S

    The Legendary Tigerman: é rock & roll, sempre a dar show este moço.

    Portishead: "Ohh, can't anybody see", mal vi a Beth Gibbons :(

    Arcade Fire: sempre-bons-concertos-incorporated.

    Chromeo: muito bom, tocaram tudo o que tinham para tocar… fancy footwork, hot mess, tenderoni, pepperoni…

    Dia 3:

    X-wife + champô & special guest gel de banho

    Junip: isto foi transcendental, um dos concertos favoritos

    Ian Brown: dançável e tal, achei porreiro

    The Vaccines: se eu soubesse o que sei hoje, era capaz de ter ficado a ver mais umas antes de ir até Strokes.

    The Strokes: antes era fixe, agora há que pagar as contas ao fim do mês e isto dos concertos é só o day job deles. O concerto foi bom, mas esperava mais.

    Conclusão:

    Claramente o palco secundário é o que rende neste festival, tem melhor som e consegue-se ver alguma coisa sem andar sempre aos encontrões.
  • Primavera, o meu rescaldo

    Giu 3 2011, 20:29

    Wed 25 May – Primavera Sound

    Nota: não é uma cobertura exaustiva do festival, são notas que quero partilhar e guardar para referência futura de alguns dos concertos que vi.

    Sábado, dia 3:

    Papas Fritas quase surf rock, bom para fim de tarde.

    Fleet Foxes diz que foi bom, mas eu não aguentei. Fui ver The Album Leaf e não me arrependi nada.

    PJ Harvey foi um concerto bem bonito e menos rock & roll do que estava à espera, sobressaíram as melodias às guitarradas diria eu.

    Mogwai foi magnífico, menos que magnífico era pouco.

    Animal Collective estava "aburrido-me de muerte" e passei para Darkstar (vi meia última música o que é fantástico depois de andar 10mins) e Pissed Jeans punk das calças todas rotas antes de voltar para o palco Jagermeister vice e descobrir The Suicide Of Western Culture, que é electrónica, casiotones, distorção, knobs e mais knobs, e por aí...

    Terminar o festival com Holy Ghost! em que nota-se que o som não é o mesmo do álbum, os sintetizadores/teclados estava muito sumidos e não tinham aquela melodia contrastante característica de algumas músicas. Foi bom mesmo assim.


    Sexta, dia 2:

    Tal como já tinha dito foi o dia de Pulp tocaram todos os clássicos do you remember the first time,babies, this is hardcore, common people, disco 2000, underware, razzmatazz, houve tempo para um pedido em casamento durante o concerto e tudo. Quem é fã não perder em Coura.

    Tempo ainda para concertos de Belle & sebastian (Everybody is happy, they are glad that they came Then you go to the place where you've finally found You can look at yourself sleep the clock aroouuuuuund), zilliões a ver the national, explosions in the sky (birth and death of the day ♥ )

    Concertos mais pequenos que valeram a pena: avi buffalo e male bonding.


    Quinta, dia 1:

    Interpol concerto preferido do dia, girl talk em alta mas actuou pouco tempo, the flaming lips dão um grande espectáculo,

    Of montreal foi bom, com muita cowboyada em palco, mas faltou a minha favorita the past is a grotesque animal, festivais é assim não há tempo para mais... the walkmen alguns espanhóis só lá estavam por "el raton", descoberta da noite: Suuns.


    Quarta, dia 0 no poble espanyol:

    Para mim o festival começou com Las Robertas, umas miúdas (giras) da Costa Rica e que tocam um rock meio lo-fi, fácil de ouvir e que me agradou portanto.

    Seguiu-se Comet Gain e o tempo passou rapidamente ao som da música.

    Echo & the bunnymen não desapontaram.

    E a noite terminou com um grande concerto de Caribou!

    E se leram até aqui têm direito a uma playlist no Grooveshark com musiquinhas recomendadas das bandas que falo aqui, com uma música por banda:

    http://grooveshark.com/playlist/Primaverarescaldo/54632871?src=5
  • Sobre Daft Punk

    Giu 16 2009, 22:28

    Where Daft Punk got their samples from
    http://www.youtube.com/watch?v=MJPdVVOmbz4

    Breakwater - "Release The Beast"
    used in "Robot Rock"
    Edwin Birdsong -"Cola Bottle Baby"
    used in "Harder Better Faster Stronger"
    The Imperials - "Can You Imagine"
    used in "Crescendolls"
    Eddie Johns - "More Spell On You"
    used in "One More Time"
    George Duke - "I Love You More"
    used in "Digital Love"
    Oliver Cheatham - "Get Down Saturday Night"
    used in "Voyager"
    Tata Vega - "Get It Up For Love"
    used in "Da Funk" (Ten Minutes of Funk Mix)
    Jerry Goldsmith - "The Rec Room"
    used in "Around The World"
    Karen Young - "Hot Shot"
    used in "Indo Silver Club"
    Barry Manilow - "Who's Been Sleeping In My Bed"
    used in "Superheroes"
    Sister Sledge - "Il Macquillage Lady"
    used in "Aerodynamic"
    ELO - "Evil Woman"
    used in "Face to Face"
    Cerrone - "Supernature" (Original 14min Mix)
    used in "Verdis Quo"

    @
    http://palmsout.blogspot.com/2007/02/sampl...-daft-punk.html

    Fiquei um bocado desiludido, achei que fossem eles a criar os riffs e afinal nem os riffs nem grande parte das poucas letras. Mas passou rápido, naquela lógica de que se não fosse assim também não conhecia.

    A outra desilusão foi o Bangalter a passar 3 musiquinhas nos anos do busy p porque no final sentiu-se bem a falta do ableton live com o set num loop manhoso :X
    http://www.youtube.com/watch?v=OoxgPWcEArc
  • Músicas de 2008

    Dic 1 2008, 1:51

  • Sobre Justice

    Nov 25 2008, 22:51

    Sobre Justice

    As pessoas querem sempre algo novo, o rock está esgotado e cada vez mais, as pessoas querem dançar, as pessoas querem divertir-se daí o sucesso Justice entre o público mais novo. Alma, espírito e atitude de rock 'n' roll combinando uma nova electrónica rápida, ritmada e potente. Vale a pena ver e ouvir, soa a novo e não há que ter medo de dançar.

    O documentário mais ou menos romanceado não deixa de ter o seu interesse pois acredito que com Justice nasceu algo novo que está para durar, a concepção do que é a música está sempre a ser renovada e se é demasiado teatralizado ou instrumentalizado acaba por ser acessório, o que conta é o que sai das colunas e o que se ouve no meio de toda a salganhada de samples, loops e afins são cuidadas produções sonoras que me continuam a fascinar.
  • Beach House no Maxime, review lamechas

    Nov 21 2008, 1:03

    Sun 16 Nov – Beach House, Jana Hunter

    O primeiro álbum de Beach House soa para mim como um todo muito bonito onde as músicas se completam e é-me difícil dissecar o mesmo. Esta semelhança foi compartilhada pelo concerto de domingo, houve momentos especiais é claro. Por exemplo para mim foram Auburn and Ivory, Gila e Heart of Chambers mas isso fica ao critério da vossa lamechice. Wedding Bell? Turtle Island? D.A.R.L.I.N.G.? Outra?
    O critério é vosso, mas a review é minha por isso adorei a Gila assim como a minha personal favorite Heart of Chambers, não só a música é bela como gostaria de chamar a atenção, caso não tenham notado, que tem um vídeo pretty nice http://www.youtube.com/watch?v=DNQ97P0rQk8

    Auburn and Ivory, não fui eu que gritei a pedir mas podia bem ter sido e bem haja a quem o fez, tinha sentido falta desta.

    No seu todo foi um concerto bastante consistente, com boas interpretações e uma excelente prestação da banda.

    O concerto acabou com Cha cha que é uma experimentação muito controlada e daquelas em que sendo em teoria experimental nada pode correr mal e assim foi...
  • Review prognóstica.

    Nov 9 2008, 18:09

  • ladytrão uma review caseira+setlist

    Nov 5 2008, 11:23

    Tue 4 Nov – Ladytron

    Vou ter que analisar isto quase música a música porque variou entre o bem bom, fraquinho (YA! parem de ler por aqui) e medíocre.

    Black Cat -> sons graves altíssimos e reverberância brutal não soa nada como o disco. É bom é mau? Não sei, é uma experiência diferente que se sente literalmente na pele e tem que se estar lá para perceber. Não posso dizer que tenha sido mau som, porque com a Runaway não se passou o mesmo, ou seja é bastante provável que seja mesmo assim. Faltou mesmo entrar James Murphy dos LCD Soundsystem em cena para dar uma chapadinha amigável e mostrar como é que se soa "electronicamente" bem e aquilo ficava perfeito.

    Ghostsssss dos melhores temas do novo álbum soou bem assim como o "clássico" Playgirl.

    Deep Blue é mesmo deep, a voz não se ouvia. Ficou perdida algures num vocoder ou "caixinha" Boss, Roland qualquer.

    Seventeen é catita e assim foi.

    Setlist


    Burning Up acho que salvou o encore, é uma música fantástica e foi bem interpretada, nada de sons estranhos. :x

    Destroy Everything You Touch desilusão das desilusões mediocridade das mediocridades é assim ao vivo, o tema é um hit fantástico mas ao vivo eehhhhhhh explosão deliberadamente controlada de energia.

    A ideia que fica é que os álbuns são bons e a banda também o é, mas ao vivo sem aquela pós produção toda não é estruturalmente tão arranjadinho como o álbum e soa assim um bocado como """""punk da electrónica""""" uma coisa mais rough e toca a despachar.

    Resumindo gostei (SURPRISE!) mas soube a pouco e faltou a Blue Jeans.
  • Sunset Rubdown@ZDB, desculpa mas...

    Giu 9 2008, 18:28

    Sun 8 Jun – Sunset Rubdown
    ...Sunset Rubdown consegue ser melhor ao vivo que em disco

    Todas as músicas tocadas de forma flawless. A voz de Spencer Krug não deixa de ser impressionante ao vivo.

    Quando tocaram a Mending of the gown foi impressionante a forma como conseguem rippar toda a energia da música num concerto ao vivo, o que está no disco é real não um floreado de arranjos que ao vivo soam a pouco ou se dissipam. É real, é concentrado e bem bom!

    Encore the taming of the hands that come back to life, não se pode pedir mais que uma das melhores músicas do álbum e para mim uma excelente escolha para o final :)

    Das novas músicas... Boas promessas para o novo álbum.

    (+)
    *a entrega da banda->excelente concerto
    *ZDB não a abarrotar e por 8 eurs para ver Sunset Rubdown! Parabéns sistemanervoso pela organização.
    *duplo LP a 12eurs!

    (-)
    *nada a apontar, até porque começar meia hora depois é ser pontual, pelo menos para a Amy :P
  • Colectivo dos Animais, review que não terá + k 4 parágrafos

    Mag 29 2008, 15:22

    Wed 28 May – Animal Collective, Atlas Sound

    [bla bla bla]referências a bandas, nomes, concertos e afins[/bla bla bla]

    + (pontos positivos)
    * Cover de Justice
    * Entrada com as músicas e posterior articulação da passagem para as canções

    - (pontos negativos)
    * Problema ?técnico? no sistema de iluminação (annoying)
    * A meio de uma música entraram uns samples de gameboy, qq coisa mal ligada?! (é curioso, é diferente, mas só por isso não tem que ser bom)
    * Pessoal que ainda não percebe que os concertos é para ouvir e fala de maneira despregada como se de um acontecimento social qualquer se tratasse e não de um concerto.

    De resto foi bom (não ler excelente!),valeu apena, e não, não é tão bom como em álbum. Temos pena.

    PS: acho que faltou a Cuckoo Cuckoo, mas isto é ressabiamento de fã recente