Diario

  • Mixtape III - Songs Between Nothing and Goodbye (Download Included!)

    Apr 22 2007, 14:07

    1. Disaster (5:42)

    2. Outside Problems (3:05)

    3. Trevor Dust The Bedsheets (4:03)

    4. Take The 227th Exit (3:39)

    5. You Don't Have to Kick It (4:15)

    6. Angry Sea (3:05)

    7. White Rice, Brown Heart (2:01)

    8. Sheye (5:31)

    9. Bushels (9:13)

    10. Sing! Captain (5:21)

    11. The Brantford Song (2:36)

    12. The Girl from The Gum Commercial (5:13)

    13. Die Die Die (3:03)

    Download it: http://s4.quicksharing.com/v/5193135/Songs_Between_Nothing_and_Goodbye.zip.html

    Playlist length: 56 minutes 47 seconds

    File Size: 77,6 MB

    Long time since the last Mixtape...

    Well, I hope you enjoy all the songs as much as I do!

    Please comment, liking it or not!

    Be fine.


    Beirut, Black Rebel Motorcycle Club, Born Ruffians, Clap Your Hands Say Yeah, Cloud Cult, Collapsing Opposites, David Vandervelde, Dr. Dog, Eagle*Seagull, Everthus The Deadbeats, FOG, Frog Eyes, Great Lake Swimmers, Handsome Furs, Henri Fabergé and the Adorables, Kay Kay and His Weathered Underground, Los Hermanos, Man Man,Los Porongas, Menomena, Modest Mouse, Moptop, Mother Mother, nich worby, Muse, Odawas, of Montreal, Papercuts, Spires That in the Sunset Rise, Sunset Rubdown, Supercordas, Swan Lake, The Acorn, The Arcade Fire, The Awkward Stage, The Besnard Lakes, The Bicycles, The Decemberists, The National, The Fiery Furnaces, The Kingsbury Manx, The Reverend Peyton's Big Damn Band, The Robot Ate Me, The Shaky Hands, The Twilight Sad, The Zombies, Tim Ford
    Vanguart, We All Have Hooks For Hands, We Versus The Shark, Wolf Parade, Wooden Stars, Woodpigeon, Young People.
  • Kay Kay, Mother Mother, Sanduiche-Iche (rááá)

    Mar 18 2007, 16:28

    Sup?

    My life has been really busy lately. You can easily notice that fact by seeing the lack of journals in my page.

    Working and studying at the same time is not easy, as most of you might already know, but I still can find some time for music! "Music feeds my soul" a wise girl once said.

    Anyways...

    Have you ever heard about Kay Kay and His Weathered Underground?




    Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band?



    Similar, huh?

    Imagine The Beatles, Man Man and tremendous talent all together. Yeah, you got my point.

    They especially remember me The Bonzo Dog Band in the amazing track Rum Davies.

    Well, listen to them by yourselves and give your opinions.

    (I added a track by Bonzo Dog Band, compare it to Rum Davies if you want :P)

    http://s9.quicksharing.com/v/4782196/Kay_Kay_and_His_Weathered_Underground_Bonzo.rar.html
    ---------------------------

    We all know that Canadian bands are among the best in the world, at least in the last years. Let's name a few:


    Immaculate Machine
    Malajube
    Ohbijou
    Sunset Rubdown
    The Arcade Fire
    The Awkward Stage
    The Besnard Lakes
    The Unicorns
    They Shoot Horses Don't They
    Wolf Parade

    More recently:

    Woodpigeon
    Land of Talk
    Henri Fabergé and the Adorables

    I love them all, but I feel the need to talk about a special one: Mother Mother.



    Their 07' "debut" Touch Up is easily one of the best albums (if not the best) you'll listen during the whole year ("Are you crazy?? Have you listened to Neon Bible? We Were Dead Before the Ship Even Sank?? Friend and Foe???" Oh yes!)

    Rock, Pop, Folk, Experimental and anything else you can imagine all blended together.

    Enjoy:

    http://depositfiles.com/files/706400

    If it says there's no free slot for you country, etc, etc, just use a proxy:

    http://proxy.org/

    ----

    Don't forget to comment!

    Have a wonderful week :)
  • About Music, Hipsters, Games and Babel

    Gen 27 2007, 14:43

    First of all, this post is going to be long. You are warned.

    Second, music is a form of art, so it's naturally subjective. Many of you will not agree with my point of view, and that's fine, I can deal with it. Feel free to comment your thoughts.

    I. The actual state of music
    II. Everything sounds the same
    III. Why do we deify ordinary bands?
    IV. It's hard to find original bands
    V. The point is to know what you are listening to
    VI. When popularity influences our music taste
    VII. When music started to be a competition
    VIII. When Last.fm turned into a game
    IX. Final considerations

    I. The actual state of music

    Music has changed drastically over the last decades. By saying that, I'm not referring to quality or something like that, but to quantity. Internet helped thousands of bands to grow and to disappear.

    Back to the 80s or 90s people didn't have access to many bands, only to the ones the media reccomended or the ones that the person in the small music shop introduced to you. Nowadays, that person disappeared . Not the ocupation, but the function. Everyone can search for music by themselves, this shop guy is not needed anymore.

    Hundreds of bands pop up each month, it's impossible to know them all (do we really need to?), but they are there. "The A", "The Yellow", "The Something". Thousands and thousands of these "The" bands. Can they compensate their lack of originality with extraordinary music?

    II. Everything sounds the same

    Think of one band. Many of you will think of many. Why? Nowadays bands come on a package. They are so similar it's hard to differentiate.

    Arctic Monkeys, Little Man Tate and Milburn. If you listened to a song by one of them some years ago, you wouldn't be able to say who was the correct artist. They are all way too similar.

    It's like a formula that most bands are following. Many of those bands are talented (they have at least one or two really interesting songs) but their lack of originality annoys me to the bone.

    Each year we can find one The Rifles, three The Kooks, five We Are Scientists, ten The Holloways. The name of the bands will change, but the formula is still there. One or two catchy tunes and that's it.

    III. Why do we deify ordinary bands?

    In this crazy search for new music, we all tend to deify bands that generally don't deserve our praise. It's not that they are bad, but most of them are pretty normal. There's nothing wrong with that, though. The bands seeking to change the world are even worse, sometimes.

    Last week I downloaded a album by The Colour. I listened to it at least twice and it's average. Two good songs, the rest is ok. I wouldn't mind listening to it on a elevator or in a waiting room, but it's far from changing my life. Cold War Kids and Catfish Haven are more complete, for example. I'’m sure somebody will put that record in the “Best of 2007” list in the end of this year and I can deal with it, but, hey, why? Do that person really enjoyed the album or it’s because it’s nice to choose a record most people won’t recognize? That’s the question.

    IV. It's hard to find original bands

    I always prefer bands which choose to do something different and fail than the ones that keep doing the same thing over and over.

    How many bands came in the shadow of The Libertines or The Strokes? In my opinion those bands aren’t that extraordinary themselves, so it’s hard to expect something from a copy over there.

    Let’s name Man Man and Wolf Parade. Are they unique? Probably not. They all have many influences and if you listen carefully you can remember other bands. The good point is that they keep those influences just as influences, as it should be! Nobody is obliged to like their music but I would kindly ask people to respect their work, it’s definitely not easy to find such original acts.

    V. The point is to know what you are listening to

    Let me put it clearly. There is nothing wrong in listening to Bloc Party, Franz Ferdinand, The Killers, Maxïmo Park, Kasabian, etc!

    Most of them have got some really solid records such as Franz Ferdinand, Silent Alarm or Hot Fuss! I enjoy myself many of them.

    On the other hand, many people exaggerate. They are nice, yeah. But for some The Rapture, The Bravery, etc are better than Gang of Four. Many don’t even know Gang of Four. I’m not of those who are always saying “In the past it was all better” because is not always true, but in this case that’s my opinion. Gang of Four and Television are better than all those bands together.

    VI. When popularity influences our music taste

    We have some funny cases about popularity.

    Sufjan Stevens – He used to be a way talented songwriter and musician back in 2005. Now his is a overrated jerk and even the ones that used to like him are fleeing from his music.

    Modest Mouse – They are playing for, humm, 13 years? Ok… Most people ‘discovered’ them only in 2004 with Good News For People Who Love Bad News. In the beginning the album was good but then everyone started listening to it! The indie crew cannot accept that! They were even on the radio (not in Brazil, we are still listening to Maroon 5)! It’s funny, because they had a whole cult back in the past and now many "old fans" are not keen for new releases and for the band itself.

    Not to mention Arctic Monkeys and many others.

    I simply can’t understand how it works. Do you only like the band while it’s not famous? But, then, do you like their music or their obscurity? I hope somebody can answer me that.

    VII. When music started to be a competition

    What is a album? Let’s see in wikipedia.

    An album or record album is a collection of related audio or music tracks distributed to the public.
    (…) The tracks on an album may be related by subject, mood or sound, and may even be designed to express a unified message or tell a story (…).


    Ok.

    Let’s suppose you download 10 albums per week. You’ll have about 40 albums in a month. Now, I’ll ask you something: do you have any idea of the concept behind the albums you’re listening to?

    We do not discuss the music we listen anymore. The point is to download more and more, listen to a huge quantity of bands, to become a live music encyclopedia. But, by doing this, we don’t have time to feel the music anymore. It’s not worth losing time searching for a band’s discography while many new bands are popping up around the world, is it?

    The so-called “music experts” in this days aren’t more than slaves of their own addiction.

    VIII. When Last.fm turned into a game

    Some days ago, my friend Sylviofurtado showed me a girl’s profile. It was normal, except for a thing: she was registered for not more than one year and had around one million tracks played. Yes, one million. Funny, isn’t it? What a person like this have in mind? I bet she keeps her ipod on 24/7 just scrobbling music, but…why!?

    It’s not only about tracks played, we have many competitions in here: how many obscure bands you’ve got in your top 50 chart, how many friends you have, your number of posts, just to name a few.

    I could bet (I’m feel like betting today, I know) there are people who listen to a mainstream band a lot, but are afraid to scrobble it to their profiles. In this case, the problem is not linked to music, but to personality (or the lack of it).

    IX. Final considerations

    If you read the whole think, I should thank you. There aren’t many people interested in reading big texts, especially by me.

    I’m very interested in your opinion. Did I disrespect you? Did I mention in a bad way some band you love? Is Franz Ferdinand better than Television? Are you reading my final considerations before the text itself? Have you watched Babel?

    Take care you all.
  • Best of 2006: Records (Ráááá)

    Dic 29 2006, 13:51

    No cheap talking, here it goes:

    10. Parenthetical Girls (Safe As Houses)



    Quick Comment: Extremely powerful album. Listen to the whole thing before making early conclusions. At first it may sound a perfect album to help your sleep but, believe me, it's much more than that.

    Similar to: Mount Eerie, Akron/Family, Phosphorescent
    Start by checking: I was the Dancer
    Favourite Track: The Weight She Fell Under


    09. Midlake (The Trials Of Van Occupanther)



    Quick Comment: This album seem so old to me. I suppose it's because I've been listening to Midlake for a while now, so they are more than just a 'hot prospect for the future", they are a reality. I'd rather prefer their other album, Bamnan and Slivercork, but this one is pretty solid and undoubtly deserves a place here.

    Similar to: Grandaddy (sometimes they remind me about Radiohead, but I can't say they are similar)
    Start by checking: Roscoe
    Favourite Track: Roscoe


    08. The Black Angels (Passover)



    Quick Comment: I'll be honest here. I wasn't minimally surprised/amused about this record in the first listen. All tracks seemed so alike and I coudn't feel anything special. Ok, I put it apart and listened to a lot of other bands. Then, I tried this again in another day. It's impressive how this album grew on me after some listens. Highly recommended.

    Similar to: The Brian Jonestown Massacre
    Start by checking: The First Vietnamese War
    Favourite Track: The First Vietnamese War


    07. The Victorian English Gentlemens Club (The Victorian English Gentlemen's Club)



    Quick Comment: I've discovered them recently, not more than a month ago. "And they already deserve a place here!?" you may ask and I'll be glad to answer affirmatively. This album is like a shot, very fast and agressive. I like the lyrics also.

    Similar to: The Young Knives, The Horrors
    Start by checking: Ban The Gin
    Favourite Track: The Tales Of Hermit Mark


    06. Danielson (Ships)



    Quick Comment: Like The Black Angels, I wasn't impressed in the first listen. More than that: I hated the record. "What the hell are these vocals?" I asked myself. After seeing Danielson in many 'top albums' lists in the middle of the year, I realised I should at least try it once again (and listen to the whole thing) and so I did. Great record, once you get used to that vocals (I still find them strange - strange is not bad, though).

    Similar to: Erm...?
    Start by checking: Did I Step On Your Trumpet
    Favourite Track: Did I Step On Your Trumpet


    05. Beirut (Gulag Orkestar)



    Quick Comment: Exactly like the experience I had with Danielson, the only difference was the bad point in my opinion. In Danielson's case the problem was the vocals. Here, I didn’t like the sound itself, the band, the ambient, etc. It was just the first impression, after some listens I dicovered a amazing 'band'.

    Similar to: Erm...?²
    Start by checking: Postcards from Italy
    Favourite Track: Postcards from Italy / Scenic World.


    04. Sunset Rubdown (Shut Up I Am Dreaming)



    Quick Comment: "Ok, Wolf Parade 2" I first thought. I heard this was a "side project", so I supposed it couldn't be so good, otherwise it would be the "main project". I was wrong, and I'm happy with that. Sunset Rubdown has a own atmosphere and Spencer Krug keeps impressing me.

    Similar to: Wolf Parade, Frog Eyes, Destroyer, Swan Lake (duh).
    Start by checking: Stadiums and Shrines II
    Favourite Track: They Took A Vote And Said No


    03. Man Man (Six Demon Bag)



    Quick Comment: So talented it hurts. "The Man in a Blue Turban With a Face" was great, but this one is astonishing. No words can describe their music, I'm sorry.

    Similar to: Wolf Parade, They Shoot Horses Don't They, Kay Kay and His Weathered Underground
    Start by checking: Van Helsing Boombox
    Favourite Track: Engrish Bwudd (Engwish Bwudd?)


    02. Peter and the Wolf (Lightness)



    Quick Comment: Along with Fionn Regan, this band produced some of the most beautiful tracks this year, imo. Amazing story-telling record. If you are into folk music, this is a must.

    Similar to: Akron/Family, M. Ward
    Start by checking: Dear Old Robyn
    Favourite Track: Captain Dan

    01. They Shoot Horses Don't They? (Boo Hoo Hoo Boo)



    Quick Comment: So dancing, so happy, so strange. I wrote a review in portuguese about this record. For me, it's like a bunch of clowns dancing madly until they are all dead, so it's all over. But then more clowns go to the stage and it all starts over again. That's how I feel during this unique music trip. It would be unfair not to put them in the first spot because this is the album I listened the most this year, by far.

    Similar to: Man Man + Clap Your Hands Say Yeah + Thinking Fellers Union Local 282 = TSHDT
    Start by checking: Emptyhead
    Favourite Track: Hiccup


    Other amazing records:
    Catfish Haven (Please Come Back EP),
    Cold War Kids(Robbers & Cowards),
    Eagle*Seagull (Eagle*Seagull),
    Envelopes (Demon),
    Evangelicals (So Gone),
    Figurines (Skeleton),
    Fionn Regan (The End of History)
    Guillemots (Through The Window Pane),
    I'm from Barcelona (Let Me Introduce My Friends),
    Karl Blau (Beneath Waves),
    Islands (Return to the Sea),
    Joanna Newsom (Ys),
    Jolie Holland (Springtime Can Kill You),
    Josh Ritter (The Animal Years),
    Liars (Drum's Not Dead),
    Oh No! Oh My! (Oh No! Oh My!),
    Okkervil River (Overboard & Down),
    Rock Plaza Central (Are We Not Horses),
    The Diableros (You Can't Break The Strings In Our Olympic Hearts),
    The Decemberists (The Crane Wife),
    The Gothic Archies (The Tragic Treasury Songs From A Series Of Unfortunate Events),
    The M's (Future Women),
    The Sunshine Underground (Raise the Alarm),
    The Zutons (Tired of Hangin' Around),
    Tokyo Police Club (A Lesson In Crime),
    TV on the Radio (Return To Cookie Mountain),
    Two Gallants (What The Toll Tells),
    Woods (How To Survive In In the Woods).


    That's it.

    I hope you enjoyed your reading.

    Comments will be aprecciated.

    Happy new year everyone.

    There will be a list for the best album covers and best tracks too, but I'll be only able to do that in the next year (so far, innit?).

    Anyway, see you.
  • Mixtape II - Experimental, Folk and Everything Between (Download Included!)

    Nov 25 2006, 21:46

  • O dia em que meu time foi tetra campeão nacional

    Nov 19 2006, 20:24



    High Resolution

    RÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ
  • O dia em que eu sonhei não estar vivo

    Nov 19 2006, 3:50

    Sensivelmente inspirado na obra de Bukowski, o conto a seguir tem por objetivo instigar o leitor a refletir, mesmo que muitas vezes forçosamente, sobre situações comuns, mas simplesmente negligenciadas pela maior parte de nós.
    Utilizando-se de linguagem direta, muitas vezes rude e repulsiva, o texto que segue pode incomodar alguns. Os que conseguirem, todavia, extrair daí a podridão em que a estória se desenvolve, sem apelar para conceitos pré-definidos e julgamentos precoces, entenderão que tal coloquialidade se faz necessária, e qualquer outro tipo de abordagem, tornaria o todo uma simples mentira.
    Sem mais delongas, o conto se inicia.


    I

    Ouvia gritos. Gritos de mulher. Os gritos eram seguidos por um choro abafado, que mal tinha tempo de iniciar-se quando, novamente, os gritos tomavam-lhe o lugar. Era minha mãe. Pelo menos dizia o ser. Nunca duvidei de tal coisa, longe de mim, mas o fato é que não via nela característica nenhuma que eu possuía. Para ser sincero, não via tais características em mais ninguém. Um grito absurdamente alto, seguido por um silêncio atormentador, obrigou-me a abrir os olhos. Enxergava com dificuldade, a claridade do dia que principiava me incomodava muito os olhos. Olhei para um relógio velho sobre a mesa de canto. Marcava oito horas da manhã. Decidi que seria prudente levantar.
    Tomei o caminho ao banheiro, passando pelo quarto em que minha mãe se encontrava. Seu marido, a esta altura, já deveria estar cansado de espancar-lhe e provavelmente saíra à procura do primeiro trago do dia. Mesmo com sua suposta ausência, não me passou pela cabeça entrar no tal quarto e ver o estado de minha mãe. Tal coisa ocorrera, sim, há alguns meses atrás, mas desde que tudo isso se tornara uma rotina, passei a simplesmente ignorá-la. O fato de agüentar aquela situação por tanto tempo não era o que mais me incomodava. O grande problema era ter escolhido aquele porco para ser meu pai. Se é que se escolhe uma coisa dessas. Filhos são sempre um acidente, pensei. Se em algum lugar do mundo estes eram planejados e comemorados, este local encontrava-se, sem dúvidas, infinitamente longe daqui.
    Chegando ao banheiro, joguei-me um pouco de água a cara. Olhei para o espelho e me assustei. Sempre me assustava. Não que fosse tão feio, havia muitos leprosos mais repugnantes que a minha pessoa. O que me causava surpresa, vez após vez, era a total falta de expressão na minha face. Seria como ver um fantasma: olhos caídos, pele pálida, um pobre diabo. Um dos motivos desta demonstrada apatia poderia ser a fome, e, poupando esforços, não me dei sequer ao trabalho de abrir a geladeira em busca de alimento antes de sair. Ela estivera vazia nos últimos meses, e senão por um milagre, continuaria nesta situação por tempo indeterminado. Minha total descrença em milagres tornara a decisão mais fácil, creio eu.

    II

    Quando coloquei o primeiro pé à calçada, percebi que estava descalço e não trocara de roupa, continuava vestindo aqueles trajes amarrotados com que fora dormir. Virava o corpo á voltar, quando me lembrei que não possuía qualquer outra vestimenta, muito menos um sapato a calçar. Continuei meu caminho ao colégio.
    A alguns quarteirões dali avistei um monte de pessoas, uma empurrando a outra, em busca de uma melhor visão do ocorrido. O ocorrido, por assim dizer, parecia ser um acidente, fato que se comprovou quando uma ensandecida sirene começou a aproximar-se, seguida terrenamente pela ambulância que a carregava. Vi sangue ao asfalto e vidros quebrados ao chão e eu continuava com fome. Entrei numa lanchonete e sentei-me próximo à janela.
    - Deseja alguma coisa, - disse a garçonete enquanto deixava se analisar a confusão do lado de fora e se virava em minha direção – senh--?
    Parou subitamente ao perceber o estado deplorável em que me encontrava e, por conseguinte, a incapacidade que eu teria de pagar sequer um mísero café. Fingiu que a chamavam, e deu-me às costas.
    - Sim, desejo – disse eu em pensamento. Desejo te foder por inteiro.
    A garçonete tinha um belo corpo. Pernas torneadas que combinavam perfeitamente com seu quadril esculpido e cintura fina. Tinha seios pequenos, porém charmosos. Seu único problema visível era a face. Tinha um nariz desproporcional e orelhas de abano. Tentei esquecer desta triste constatação e me concentrei naquele corpo privilegiado. Imaginei-a sem roupas e como seria bom pegar-lhe a carne e fazer com ela as loucuras que bem desejasse. Imaginei-a deitada à minha espera, chamando-me, ai eu chegava, tirava o roupão que vestia, e passaria horas e mais horas a satisfazê-la. Pensava em tudo isso e muito mais. Foi quando uma anciã obesa passou à frente da garçonete, a pedir informações. Instintivamente, imaginei-a também nua, e a partir daí não pensei mais em nada. Perdi a fome (em todos os sentidos possíveis da palavra) e saí.
    Continuava o mesmo tumulto de antes na rua, causado pelo suposto acidente, com uma única diferença. Agora, dois homens discutiam asperamente enquanto o menino (finalmente vi que se tratava de um menino) era colocado com cuidado dentro da ambulância. Quem me dera – pensava em silêncio – eu pudesse ficar hospitalizado por alguns meses, deitado, dia após dia, numa cama limpa e branca, sem perspectiva alguma de alta e sendo alimentado regularmente por sedutoras enfermeiras. Meus pensamentos iam longe, quando fui interrompido de súbito por um grito de um dos homens que estava a discutir:
    - MAS COMO VOCÊ QUER AINDA TER RAZÃO? – esbravejava um homem mais novo, bem vestido e extremamente raivoso - O SENHOR ESTÁ BÊBADO, PORRA!
    - TOU BEBADOU CARALIUU! – disse o outro homem, mais velho e com barba grisalha e mal feita, tendo enorme dificuldade de montar as frases, efeito óbvio das altas doses de álcool que ingerira há pouco. I DIGOU MAISS, SINUM SAIII DA MINHA FRENTE VOU QUEBRAA A TUA CARA – finalizou, entrando novamente em seu velho automóvel, como se ainda lembrasse como conduzi-lo.
    Senti enorme desprezo por esse segundo senhor, lembrava-me meu pai. Utilizando-se do álcool para esquecer a merda de vida que possuía, que idéia estúpida. Pensei sobre isso por um momento e, repentinamente, a idéia perdeu toda sua estupidez.
    Não me preocupei em entender sobre o que discutiam. Provavelmente o velho atropelara o menino e o outro homem tentava convencer-lhe de sua culpa. O velho argumentava, por sua vez, que o menino fora descuidado e atravessara sem olhar. Os dois deviam ter razão. O homem por ver o óbvio, o bêbado não sabia o que estava fazendo. E o velho, por perceber que se o garoto estivesse mesmo atento, daria mais um passo antes de ser atropelado, tendo, desta forma, muito mais do que uma perna quebrada e algumas escoriações, e ficando, se tivesse sorte, por muito tempo no hospital de sua preferência, livre de toda a podridão do mundo pelo maior tempo que pudesse.

    III

    Estava atrasado para a aula. Não que isso me preocupasse de alguma forma. Na verdade, nunca chegava a tempo da primeira aula. A professora era sempre a mesma.
    - Nada de Lucy. Professora Lucienne, para vocês! – dizia sempre que alguém se referia a ela usando seu conhecido apelido.
    Lucienne lhe caía muito melhor, de fato. Lucy remetia a doçura, bondade, qualidades que, nem de longe, esta professora possuía – não com a gente, ao menos. De todos os alunos, eu fora o escolhido por ela para ser massacrado durante todo o ano.
    - Steve! – meu nome – Steve! Não se faça de surdo, seu moleque! Venha para cá agora mesmo! – dizia, puxando-me pelo braço e então, na frente de todos, aplicando-me golpes impiedosos com aquela maldita palmatória.
    A mesma coisa ocorreu nas duas semanas que se seguiram a esse primeiro incidente. Sempre por motivos tolos. A primeira vez foi porque lhe disse que seu mau humor era causado, principalmente, por falta de piroca. Todos riram, frente à veracidade de minha constatação. Todos, menos ela, que além de me bater, levou-me à diretoria e chamou meus pais. Tal atitude rendeu-me diversos hematomas pela ação implacável de meu adorado pai. Não a julgo culpada. Sinto, sim, pena por ser tão feia a ponto de não chamar a atenção de uma piroca sequer.
    Depois destes primeiros ocorridos, nunca mais cheguei no horário. Minha rotina escolar iniciava-se sempre na segunda aula.
    Aproximava-me do portão quando ouvi uma voz a chamar-me:
    - Ei Steve! – exclamou Ken. Chegando atrasado de novo, hein?
    - Quem é você pra falar alguma coisa, Ken?
    Ken tinha a fama de ser um cara durão, que não levava qualquer desaforo para casa. Eu sabia, porém, que tudo isso era uma mentira. Por trás dessa ilusória casca de coragem e rebeldia – freqüentava a aula uma vez por semana e, nestas raras oportunidades, sempre era expulso por desacato aos professores -, vivia um menino assustado, que não aprendera a lidar com as situações mais cotidianas de nossas vidas.
    - Quem eu sou não importa. O que importa, é que você não vai entrar aqui! – concluiu, ao tempo que se colocava a frente do portão fechado.
    - Como é?
    - Daqui você não passa, porra!
    Não entendi bem o porquê de ele querer impedir minha passagem, qual seu interesse naquilo. Ele, assim como eu, não tinha amigos. Diferente de mim, ele parecia se incomodar com isso e talvez escolhera o cara mais durão do colégio – no caso eu – para ocupar tal posto. Ken era conhecido também por ser um cara estúpido, e tal estupidez aqui se comprovou inegavelmente.
    - Abra esta merda, Ken!
    Permaneceu em silêncio.
    - ABRA ESTA PORRA AGORA OU EU ABRO O TEU CU!
    Seu olhar subitamente mudou e Ken abriu calmamente o portão. Passei sem olhar para trás.
    Se eu tivesse dito “Farias tu o obséquio de abrir-me o portão? De outra forma, serei obrigado a te sudomizar, jovem Ken” provavelmente Ken teria caído na risada ou desistido de buscar minha amizade, a de um suposto cara durão. O significado de ambas as frases é muito próximo, mas a distância entre as apresentações é cruel. Esta foi uma das primeiras lições que aprendi na vida: a forma é muito mais importante que o conteúdo.

    IV

    A aula decorreu na mais profunda normalidade. Os professores tentavam ensinar suas respectivas matérias mas ninguém aparentava se interessar. Havia apenas um minúsculo grupo de alunos que atentavam para cada palavra vomitada pelos mestres e faziam suas observações, sempre que possível. Não entendia a necessidade que essas pessoas tinham de se auto afirmar perante os outros, parecia uma competição interna com um número de participantes extremamente restrito e cujo prêmio seria o “troféu nerd do ano”. A motivação que essas pessoas tinham de alguma forma faltava em mim, como se por alguma mutação genética, tal caractere não tivesse aparecido na minha pessoa.
    O sinal tocara e eu ia em direção à rua quando alguém colocou a mão ao meu ombro. Senti o ódio subindo-me as veias ao mesmo tempo em que virava para descobrir quem tivera a audácia de me tocar. O ódio transformou-se rapidamente em estranheza, seguida de incontrolável repulsa. Não conseguia me lembrar de seu nome, mas vira essa pessoa por diversas vezes no colégio. Sempre sozinho, quando não sendo espancado pelos alunos mais velhos. Quando viera falar comigo, tinha o nariz escorrendo e a camiseta ensopada de ranho, baba, suor e outras substâncias que não consegui distinguir. Esta, obviamente, era uma das razões dos espancamentos constantes, além do simples fato de Kevin – finalmente me lembrei do maldito nome – ser um eterno imbecil.
    - Olá Steve! Como vai o senhor??? – o sangue começava-me a subir novamente a esta altura.
    - Direto ao ponto, Kevin – disse secamente.
    - Bom... Ok. Eu vi o que tu falaste para o Ken!
    - Tá, imbecil. O que tem?
    - Bom...
    - Se dizer “bom” mais uma vez eu te parto ao meio. O aviso está dado.
    - Certo. Eu te dou cinqüenta pratas se bater nele.
    - Por cinqüenta pratas eu não como nem o rabo da tua mãe, meu jovem.
    Realmente eu não estava interessado no dinheiro, por mais que precisasse dele.
    Ken passava ao meu lado e não acreditou quando constatou que minha companhia era Kevin, o anormal, como alguns costumavam o chamar.
    - O que?? O até então durão Steve agora virou amiguinho íntimo do retardado-mor do colégio? Hahahahh – gargalhava Ken.
    Meu primeiro soco cortou o ar numa velocidade espantosa e atingiu-lhe a fronte antes mesmo que pudesse parar de rir. Sentiu o baque e tombou para trás, mas não antes que eu lhe atingisse um chute no estômago. Cuspiu algo no chão. Parecia-me um naco de pizza, mas preferi não averiguar. Quando finalmente caiu, comecei a dar-lhe pisões à altura do tórax e finalizei com um chute à cabeça. Pareceu-me, a princípio, desacordado. Quando decidi me retirar senti algo me segurando. Era o braço semi-morto de Steve a impedir minha movimentação. Abaixei-me rapidamente e soquei-o com toda a força que possuía no meio do seu nariz. Quando senti o esguicho de sangue acionado pelo meu punho, a transbordar sobre o asfalto incessantemente, pareceu-me que ali não havia mais nada a fazer. Antes de sair, Kevin ainda tentava colocar as cinqüenta pratas ao meu bolso da calça. Empurrei sua mão.
    - Não fiz pelo dinheiro.
    Na verdade não sabia por que o tinha feito. Pela moral? Que moral? Acho que simplesmente necessitava deixar transparecer uma parcela do ódio que eu deixara acumular dentro de mim.

    V

    Eram seis da tarde e eu continuava com minha aparência pálida e com muita fome. Somente agora comecei a pensar de onde tirara energia necessária para brigar da maneira que o fizera há poucas horas. Eu deveria agora estar desmaiado, pensei.
    Dei mais 3 passos e, de fato, desmaiei.
    Acordei numa cama confortável, lençóis brancos e limpos. Uma sensual enfermeira ofereceu-me um delicioso prato de comida de hospital. Achei o tempero especialmente espetacular. Pensei se fora a enfermeira a autora de tal refeição, muito melhor que a de minha mãe – quando ainda havia alguma comida para ela cozinhar. De repente imaginei-a como sendo minha mãe, a acordar-me todos os dias com um beijo, ao invés de gritos e como aquilo seria bom.
    Na noite seguinte sonhei estar morto. Tudo me parecia tão calmo, solitário, sem vida. Sem gritos nem violência. Sem alcoólatras ou nerds a encher-me a paciência. Ouvi repentinamente um barulho. Senti medo, pela primeira vez na vida. Medo de abrir os olhos e voltar à realidade. Queria que tudo ali fosse real. Tentava me apegar a toda aquela calmaria, mas sentia como se fosse a água a escapar por entre os dedos. Abri os olhos lentamente. Fechei-os com força logo em seguida. Ouvia gritos.
  • Sobre palhaços, quadris dançantes e manchas vermelhas

    Nov 5 2006, 3:59

    Palhaços.

    Dançando.

    Palhaços dançando.

    Dançando e cantando loucamente.

    Tão loucamente que ali não se vê mais rítmo algum.

    Vê-se apenas pernas cambaleantes que vão de um lado para o outro sem pausa alguma.

    Até chegar ao momento que pernas não mais são vistas, restando apenas uma densa poça de sangue sob os quadris, ainda dançantes, dos mesmos palhaços.

    Eles rastejam-se, tentando a qualquer custo manter aquela total falta de rítmo que levara a multidão à loucura minutos atrás.

    A coreografia macabra só se encerra quando não se enxerga mais do que uma imensa mancha vermelha no chão. Mancha essa que subitamente some frente aos olhos de todos, até que esses mesmos espectadores também somem. Não resta nada, a não ser a memória da majestosa dança fúnebre que tomora lugar há pouco. De repente, essa memória também some. E não resta nada.

    Nada.

    ----

    Apresento-lhes They Shoot Horses Don't They.



    Vindos do Canadá, a banda nos apresenta Boo Hoo Hoo Boo, álbum que começa de forma arrasadora, com a sensasional Emptyhead e a não menos impressionante Hiccup (quem conseguir a façanha de respirar durante o desenrolar desta, me avise), passando por momentos de rara beleza com Concussion até chegar, finalmente, a Apple, faixa de encerramento que nos deixa com estranha sensação no ar.

    Mistura da loucura de Man Man com o ambiente circense de Clap Your Hands Say Yeah?

    Resgate a clássicos como Captain Beefheart & His Magic Band ou a atos mais recentes como Thinking Fellers Union Local #282?

    Pouco importa.

    O que deve-se, por outro lado, ser ressaltada, é a imensa capacidade da banda de combinar um ambiente aparentemente feliz com letras desesperadas que, por sua vez, agem como murros em nossa cara durante os quase 40 minutos de total desapego à realidade.

    Essa sensação única que o álbum nos propicia não deveria ser esquecida, nunca.

    Mas é.

    Tudo começa a desaparecer lentamente até que de uma hora para outra não resta mais nada.

    Nada.

    Mas, para a alegria de todos, novos palhaços oferecem-se, cada vez que seja necessário, para entrar no palco, a fim de iniciarem a próxima (e última) apresentação de suas curtas, porém absurdamente intensas, vidas.

    O público não se cansa de agradecer.
  • Mixtape I: An Endless Trip to Nowhere (Download Avaliable!)

    Ott 7 2006, 21:30

  • Mixtape: Gift for a friend

    Ago 2 2006, 18:29

    Hey!

    Next Sunday is the birthday of a great friend of mine. She lives far from me and we haven't seen each other yet. I wanted to give her something, anyway. I was thinking about different things, but I decided to send her an album.

    It was difficult to decide the songs, because her music taste is not very similar to mine. She likes bands such as Staind, Adema, Three Days Grace, Seether, etc.

    Because of that, I decided not to put any "experimental" song, which I like myself, but might not please her.

    Here we go:

    1. Caught By The River (5:55)
    2. Sparrow (3:34)
    3. Hold That Gun (3:53)
    4. Dreaming of You (2:21)
    5. C'mon C'mon (2:15)
    6. Lipstick Lickin' (2:34)
    7. I'm Not Sorry
    8. Local Boy (2:52)
    9. It Was Only Love (3:22)
    10. Two Left Feet (3:10)
    11. This Boy is Exhausted (4:17)
    12. All White (1:49)
    13. Vagabond (3:47)


    Doves
    Birdmonster
    Keith
    The Coral
    The Von Bondies
    Milburn
    The Pigeon Detectives
    The Rifles
    The Cribs
    The Holloways
    The Wrens
    ...And You Will Know Us by the Trail of Dead
    Wolfmother


    What do you think? Any suggestions, comments, etc, are appreciated.