Aerosilva em São Paulo 2010

RSS
Condividi

Giu 5 2010, 1:19

Sat 29 May – Aerosmith - Cocked, Locked, Ready To Rock Tour

Originalmente publicado em http://stayschizo.wordpress.com/2010/06/03/aerosilva-em-sao-paulo-2010/

Abril de 2007. Eu, um pequeno jovem intusiasta do hard rock, saí de Curitiba para São Paulo e adentrei o estádio do Morumbi para aquele que seria meu primeiro show. E começaria em grande estilo: nada menos que o Aerosmith, a banda setentista que não darei o trabalho de aqui apresentar. E de “bônus”, abertura simplesmente com o Velvet Revolver, uma das melhores bandas da década passada, que estava prestes a lançar seu segundo álbum Libertad e tocou algumas de suas novas músicas.

Show lindo, com músicas que eu adoraria ouvir e que não haviam tocado nas últimas turnês (Falling In Love (Is Hard on The Knees), Janie’s Got A Gun). Ficou a confirmação que o Aerosmith era uma das melhores bandas do rock and roll e tive a felicidade de vê-los enquanto existem.

Passam-se três anos, a banda continuou com suas promessas intermináveis de um novo álbum, Steven Tyler cai do palco, conflitos internos até dizer chega, boatos de substituição de Tyler. Eu já achava que era questão de tempo para o Aerosmith pendurar as chuteiras, levando em conta tantos esses fatores citados como a idade levemente avançada de seus integrantes. Aquele show passou a ter um valor ainda mais especial, pois seja lá no que terminasse essa história, pelo menos eu tive a oportunidade de presenciar o espetáculo desses caras.

Eis que para minha surpresa, chego em casa certo dia e me deparo com a notícia “Aerosmith marca show em São Paulo”. Levei alguns momentos para processar. “Como assim?” “Eles ainda tão aí?” “Não tavam cheios de mimimi?” “Marcaram show, e logo aqui no Brasil?” foram alguns dos pensamentos. Mas a notícia era clara e confirmada: o Aerosmith marcou uma turnê pela América do Sul e Central, incluindo um show no Palestra Itália, em São Paulo, no dia 29 de maio. Posteriormente foi adicionada uma data em Porto Alegre, dois dias antes.

Vamo lá então.

Na tarde de sábado, lá estou eu, nessa vez no Palestra Itália. Ao entrar no estádio está soando das caixas de som New Moon Rising do Wolfmother, e imagino que até o som de aquecimento é bacana. Mas essa foi praticamente a única coisa decente que lá tocou, pois depois disso até 50 Cent teve. Naturalmente, ofensas ao DJ partiam de todas as partes do estádio.

Às oito horas entra em palco a banda de abertura, o Cachorro Grande. Nunca tinha ouvido, e fiquei até em dúvida se era essa a banda ou a outra que anunciaram que iria abrir os shows, cujo nome já esqueci. Naturalmente, no quesito abertura, já estamos bem atrás do show de 2007. O Cachorro Grande me pareceu até que bacana, mas eu não estava com vontade alguma de ouvi-los e não via a hora de terminarem pra atração principal chegar. E parece que até o vocalista do Cachorro achava isso, pois não poupou falar do Aerosmith. Nunca vi tanta babação em um show de abertura.

Enfim, eles saem do palco e a partir daí é só ansiedade maior a cada momento. Até que, passado pouco das 21h40, apagam-se as luzes do estádio e uma bandeira enorme fica à frente do palco. Chegou a hora.

Checando os setlists dos primeiros shows da turnê (mas apenas de leve, pra não ir sabendo tudo), vi que a banda a cada dia abria os shows com uma música diferente. E uma dessas músicas era Eat The Rich, uma das que eu mais queria como abertura e que senti falta no show anterior. Portanto, minha torcida era para que assim começasse aqui o show.

Eis que em meio a euforia da iminência do show começar, surgem batidas bem características dos amplificadores. Lá estava. Eat the Rich.

Terminada a música e sem tempo para descanso, começa uma levada lenta e que vai crescendo lentamente. Outra das músicas que não ouvi no show anterior e eu precisava ouvir: Back in the Saddle. Sim, nesse ponto já deu pra perceber que o Aerosmith estava no comando. De novo.

Segue a música que abriu o show de 2007: a indispensável Love in an Elevator. Gritar “… oh! … oh yeah!” é característico dos shows do Aerosmith e é uma das experiências mais felizes que se pode ter.

Depois temos duas músicas do Nine Lives: Falling In Love (Is Hard on the Knees)(possivelmente a música que mais ouvi na vida) e Pink, que deixou o estádio mais meigo com sua melodia bacana e a iluminação rosa.

Antes que alguém pudesse respirar, Steven anuncia o tecladista Russ Irwin que inicia Dream On, outra daquelas indispensáveis. Cada trecho da música arrepia. Demais. Assim como Livin’ on the Edge, e com o gesto eterno de Steven na hora do “again and again…”

A cada música executada os tais problemas que tanto se noticiavam sobre a banda parecem ter sido apenas uma ilusão. Em cima do palco os cinco vovôs continuam em harmonia e tocando como nunca.

Vem a meiga Jaded e então uma surpresa total: de Draw the Line, 1977, como anunciou Steven, resgatam Kings and Queens. Essa é daquelas coisas que você não imagina que vão acontecer. Em seguida uma sequência sem dó do público: Crazy e Cryin’, uma atrás da outra, é para encerrar essa parte mais lenta do show. E bem fechado.

Joey Kramer faz um solo de bateria, que conta até com a participação de Steven Tyler, e a banda toca outra antiguidade, Lord Of The Thighs, onde Joe Perry e Brad Whitford tiram um tempo para si e mostram suas habilidades. Em seguida, o famoso Mr. Joe Fuckin’ Perry (que, diga-se de passagem, está com um visual meio lamentável) faz um rápido duelo contra sua contraparte no Guitar Hero e vence, mostrando que o real é o que há, e então canta a blueseira Stop Messin’ Around, sempre contando com a participação de Steven Tyler na gaita.

Quando se achava que não haveria mais baladas, Russ Irwin começou a tocar aleatoriamente. Pensei: “é, não adianta, tocarão a música do filme”. Steven volta e começa a cantar, mas o que se vê é What It Takes, em um dos momentos mais bonitos do show. Após cantar alguns versos de a capella, o público toma a voz para si e canta boa parte, para então a banda continuar magistralmente.

Tom Hamilton toma a vez no palco para introduzir Sweet Emotion, outro clássico. Além do baixo, eu acho os riffs dessa música simplesmente demais. E para completar, Perry ainda toca no famoso theremin, um instrumento curioso para engenheiros como eu.

Vem então Baby, Please Don’t Go (cover do AC/DC!! disse o cara do meu lado). Eu particularmente acho que só uma música do Honkin’ On Bobo estaria bom, mas tudo bem. Não é possível reclamar de algo específico quando se olha pra um show desses inteiro. Para fechar o set principal, Draw the Line e seu riff eterno.

A medida que iam as últimas músicas, a moça do meu lado se lamentava cada vez mais com o pai. “Aff, não vão tocar, já tou vendo”, foi o que ela disse mal humorada enquanto eu curtia a banda arregaçando com Draw The Line.

Depois da breve parada para o bis, a banda volta com a eterna Walk This Way. A moça deu uma animadinha quando tocaram o riff, mas logo cansou de novo. Terminada Walk This Way, enquanto eu já esperava Train Kept A Rollin’ para encerrar, eles tocam Toys in the Attic!!!! Encerramento mais perfeito impossível.

Enquanto eu tava lá, TOYS, TOYS, IN THE ATTIC TOYS, a guria, já desacreditava da vida, desabafava para o pai: “aff, tá sentindo a decepção?”
Coitadinha, ficou sem a música do meteoro…

E assim, em duas horas que parecem ter durado 30 minutos, infelizmente o Aerosmith se foi. O que sobrou foi a vontade de “quero de novo” e a certeza que a banda não está morta, longe disso. Um show simplesmente sensacional, com tudo que se espera de uma banda com quase 40 anos nas costas, onde a idade não parece ter efeito.

Agora é aguardar o que eles farão, esperando que aproveitem todo o tempo possível ainda pela frente. ^A^!

Commenti

Aggiungi un commento. Accedi a Last.fm o registrati (è gratuito).